Turismo

Cicloturismo: mais uma forma de presenciar belas paisagens

Publicada em 21 de Janeiro de 2017 ás 13:36:37
santaritadejacutingamg
Cachoeira do Boqueirão da Mira (MG) faz parte da 7ª etapa no roteiro da Volta das Transições


 Se cada vez tem crescido a opção por bicicletas para se deslocar nas grandes cidades, os brasileiros também têm pedalado na hora de viajar e novos roteiros de cicloturismo têm surgido no país. É o caso da “Volta das Transições”, no interior de Minas Gerais, estruturado no último mês. O circuito prioriza as estradas de terra que cortam os municípios do sul do estado e que integram o Circuito Turístico Serras de Ibitipoca. Assim, os viajantes que optam pelo roteiro passam pelos municípios de  Bias Fortes, Bom Jardim de Minas, Ibertioga, Lima Duarte, Olaria, Pedro Teixeira, Rio Preto, Santa Rita de Ibitipoca, Santa Rita de Jacutinga e Santana do Garambéu.

 

A iniciativa faz parte da política do Ministério do Turismo de regionalização das atividades do setor e foi realizada por um consórcio das cidades que fazem parte do roteiro. “O consórcio tem como objetivo desenvolver ações como a Volta das Transições e orientar as cidades com características naturais e culturais semelhantes, a criarem políticas públicas de Turismo”, afirma Felipe Teixeira, presidente da Associação dos Municípios do Circuito Turístico Serras de Ibitipoca.

O nome Volta das Transições foi escolhido por remeter às características do relevo, fauna e flora locais. O trajeto na Zona da Mata mineira passa por diferentes ecossistemas, como a Mata Atlântica e os Campos Altimontanos, incluindo serras, vales e planaltos. Para preparar o circuito, os idealizadores do projeto fizeram as medições dos principais pontos por GPS e sinalizaram o caminho com placas georreferenciadas, que trazem informações como latitude, longitude, hidrografia, altitude, localidade e quilometragem.

 

(Foto: Maurício Brasilli)

 

O percurso completo, que começa e termina em Santa Rita de Jacutinga, tem 408 quilômetros e foi dividido em sete etapas, com pequenos trechos no asfalto. “Não é um roteiro para amador e teve um foco maior no mountain bike. Há ciclistas que podem fazer uma etapa em dois dias, outros que fazem duas etapas em um dia. Enfim, o importante é estar bem informado sobre a altimetria e as distâncias. Mas a pessoa faz o roteiro como desejar, podendo começar em qualquer município, ou etapa, no tempo que quiser”, explica Teixeira.

A primeira coisa que o turista deve fazer é entrar no site da Volta das Transições e se inscrever. O interessado também recebe, por e-mail, o protocolo de check-in. No documento há espaços para carimbos, dados em pontos específicos ao fim de cada etapa. Ao completar todo o percurso, o ciclista envia uma foto do protocolo e recebe um certificado.

O Pico do Pião é um dos atrativos na 2ª etapa do roteiro

 

Na página, o viajante também pode baixar um aplicativo para celular com a planilha de navegação, ter acesso aos mapas e detalhes de cada etapa. “Por isso, dizemos que o roteiro é ‘autoguiado’. O turista consegue percorrê-lo sozinho, ou em grupo. Mas, se ele preferir temos duas operadoras cadastradas que dão o apoio logístico aos visitantes”, detalha o gestor.

 

Pelo circuito há pontos de apoio com pronto-socorro, oficinas de bicicleta, restaurantes, hospedagem, agências bancárias e outros comércios. “Fizemos uma cartilha para os turistas e para a comunidade local, com o objetivo de engajar todos no projeto, porque um dos objetivos é movimentar a economia da região”, informa Teixeira.

 

Fazenda colonial Santa Clara é um dos atrativos do circuito. (Foto: Maurício Brasilli)

 

Um dos principais atrativos do circuito é o Parque Estadual do Ibitipoca, localizado nos municípios de Lima Duarte e Santa Rita. Com uma área de 1.488 hectares, a unidade de conservação ocupa o alto da Serra do Ibitipoca, uma extensão da Serra da Mantiqueira, e está na divisa das bacias do Rio Grande e Paraíba do Sul.

 

Outro destaque é a Fazenda Santa Clara, construída entre 1760 e 1780 e tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA). A propriedade representa o ciclo colonial na região, caracterizado pelas plantações de café e pela mão de obra escrava, e conserva a arquitetura, arte, objetos e mobiliário da época.

Etapa 1 
Início: centro de Santa Rita de Jacutinga
Término: Rio Preto
Atrativos: Montanhas, margens do Rio Preto, cachoeira, vilarejos e Fazenda Santa Clara.
54,5 Km de extensão
865 m de altura acumulada
541 m de descida acumulada
994 m de elevação máxima
414 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Difícil
Duração: 6h18min

Etapa 2 
Início: Rio Preto
Passa por: Olaria 
Término: Lima Duarte
Atrativos: Montanhas, Pico do Pão de Angu, vilarejos e extinta malha ferroviária conhecida como Estrada dos Cortes 
53,47 Km de extensão
563 m de altura acumulada
741 m de descida acumulada
1.243 m de elevação máxima
702 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Moderada
Duração: 5h

 


(Foto: Maurício Brasilli)



Etapa 3 
Início: Lima Duarte
Passa por: Pedro Teixeira
Término: Bia Fortes
Atrativos: Rio do Peixe e rio Grão Mogol. 
52,85 Km de extensão
1.018 m de altura acumulada
914 m de descida acumulada
920 m de elevação máxima
679 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Difícil
Duração: 2h23min

Etapa 4 
Início: Bia Fortes
Passa por: Santa Rita de Ibitipoca 
Término: Ibertioga
Atrativos: Pousada Fazenda da Serra e vilarejos.
45,73 Km de extensão
1.009 m de altura acumulada
809 m de descida acumulada
1.196 m de elevação máxima
782 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Moderada
Duração: 5h2min

Etapa 5 
Início: Ibertioga
Término: Santana do Garambéu
Atrativos: Plantações de eucalipto, campos altimontanos e vilarejos
64,89 Km de extensão
1.543 m de altura acumulada
1.335 m de descida acumulada
1.259 m de elevação máxima
964 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Muito Difícil
Duração: 8h28min



(Foto: Maurício Brasilli)


Etapa 6
Início: Santana do Garambéu
Término: Bom Jardim de Minas 
Atrativos: Caminhos do ouro, estradas de terra remanescentes do antigo Ramal Ferroviário Zona da Mata – Sul de Minas, Rio Grande, cachoeiras
63,72 Km de extensão
830 m de altura acumulada
881 m de descida acumulada
1.245 m de elevação máxima
898 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Difícil
Duração: 6h40min

Etapa 7
Início: Bom Jardim de Minas
Término: Santa Rita de Jacutinga 
Atrativos: Montanhas, plantações de pinus e eucaliptos, cachoeiras Boqueirão da Mira e dos Meireles, 
45,11 Km de extensão
1.186 m de altura acumulada
1.792 m de descida acumulada
1.358 m de elevação máxima
496 m de elevação mínima
Dificuldade técnica: Moderado
Duração: 4h58min

 

 

Por Gabriel Fialho

 

Fonte/Autor: Jane Xavier

Comentários

Diário News Bahia - Direitos reservados
E-mail: contato@diarionewsbahia.com.br