Especiais - Diário News Bahia

Entrevistas

'O movimento feminista no Brasil é o mais organizado da América Latina'


Turismo

Destinos saborosos do chocolate brasileiro


Especiais

AFP/Arquivos / NICHOLAS KAMM
Governo Trump enfrenta sua primeira crise
O governo do presidente americano, Donald Trump, procurava nesta terça-feira superar sua primeira crise, ante a intempestiva renuncia de seu conselheiro de Segurança Nacional. O general da reserva Michael Flynn renunciou na segunda-feira à noite ao cargo, após a crise provocada por suas polêmicas conversas em dezembro com o embaixador russo em Washington. Em dezembro, quando Barack Obama ainda era presidente dos Estados Unidos, Flynn manteve uma conversa com o embaixador Sergei Kislyak, durante a qual abordaram a questão das sanções americanas contra Moscou. Na carta de demissão, Flynn admite que "transmitiu sem querer ao vice-presidente eleito e a outros informações incompletas sobre suas conversas telefônicas" com o embaixador russo Sergei Kislyak. Esta é a primeira baixa na equipe mais próxima de Trump, apenas quatro semanas depois da posse do republicano. De imediato, Trump nomeou o general da reserva Joseph Kellogg para ocupar de forma interina o posto de conselheiro de Segurança Nacional, de acordo com a Casa Branca. Kellogg é um dos três favoritos para ocupar o cargo. Os outros dois são o vice-almirante Robert Harward, ex-comandante adjunto do Comando Central americano, e general da reserva David Petraeus, ex-diretor da CIA.

Leia Mais

Carta Capital
O peso do ajuste fiscal na crise do Espírito Santo
Repetidamente elogiado por analistas de mercado e colunistas de economia em razão da implementação de um duro ajuste fiscal no estado, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, começa 2017 mergulhado no caos da segurança pública. Uma greve branca tirou das ruas a Polícia Militar. Impedidos de cruzar os braços, os PMs mobilizaram familiares para "impedir" a saída das rondas dos quartéis. Sem policiamento nas ruas, uma onda de saques violentos, assaltos e assassinatos (75 mortes em quatro dias) espalhou o pânico entre os capixabas, principalmente entre os moradores da capital Vitória. Ainda que outros elementos, anteriores ao enxugamento das contas públicas, alimentem o protesto de parentes e policiais, os cortes de verbas para equipamentos de segurança e a precarização das condições de trabalho parecem ter sido o estopim de uma insatisfação antiga da PM do Espírito Santo. Desde 2015, Hartung (PMDB-ES) promove um forte contingenciamento de verbas. Segundo a Secretaria de Economia e Planejamento, o ajuste resultou em um corte do Orçamento em 2016 de 1,3 bilhão de reais. Também foram feitos decretos com medidas de redução de gastos, o que gerou superávit de cerca de 40 milhões de reais, segundo o governador.

Leia Mais

Divulgação/Governo de Mato Grosso
Conheça as mudanças que ocorrerão no Ensino Médio
A reformulação do ensino médio, aprovada na quarta-feira (8) no Senado Federal, pretende tornar mais flexível e atual o currículo dos jovens nos três últimos anos da escola. Agora, a matéria aguarda sanção do presidente Michel Temer. O próximo passo é a publicação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Ela definirá as competências e objetivos de aprendizagem nas quatro áreas do conhecimento: linguagens e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias e ciências humanas e sociais aplicadas. Um dos principais objetivos da nova proposta para o ensino médio é atrair e manter os jovens para a escola. Atualmente, mais de 1 milhão de jovens de 17 anos que deveriam estar no terceiro ano do ensino médio estão fora da escola. Outros 1,7 milhão de jovens não estudam nem trabalham.

Leia Mais

AFP/Arquivo/Evaristo Sa
Criatividade e erudição são a marca dos nomes das operações da Lava Jato
Manifestantes durante protesto em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, no dia 4 de dezembro de 2016
Não é comum que palavras em sânscrito, italiano ou latim ganhem as manchetes. Mas foi o que aconteceu com a operação "Satiagraha", deflagrada pela Polícia Federal em 2008, e com diferentes fases da "Lava Jato", lançada em 2014. A operação Satiagraha - termo que em sânscrito significa "firmeza na verdade" e que foi usado por Mahatma Gandhi durante a campanha pela independência da Índia - teve como alvo um esquema de desvio de verbas públicas e lavagem de dinheiro e resultou na prisão do banqueiro Daniel Dantas, entre outros. Desde 2014, expressões elaboradas como esta têm proliferado na mídia a cada nova fase da "Lava Jato", caso de "Nessum Dorma" e "Erga Omnes". Não há nenhuma normativa que defina critérios para a escolha dos nomes, e o delegado que coordena a operação é o responsável por batizá-la, segundo a assessoria da PF. A escolha do nome "vai da criatividade do delegado, sempre tendo algum vínculo com o que está sendo apurado", resume o delegado Luciano Leiro, diretor da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal no DF. No início dos anos 2000, a PF teve uma gestão que incentivou o batismo das investigações, e "isso ficou mais organizado, toda operação passou a ter que ter um nome", explica o delegado Cairo Duarte, superintendente em exercício da Polícia Federal no DF.

Leia Mais

editoraforum
Sistema prisional brasileiro: uma reflexão que clama a atuação estatal
Das discussões sobre os direitos fundamentais garantidores, observa-se que a violência nas prisões há muito marca a existência daqueles que lá vivem, que sofrem com a própria violência institucional, com os efeitos deletérios trazidos do encarceramento, com a disputa pelo domínio territorial do crime, com o sofrimento da pena e ainda com o descaso e a desumanização do homem, violações estas que ensejam certos comportamentos bárbaros dos apenados. É desse start que origina uma guerra urbana, onde a invisibilidade social e estatal fomenta a invisibilidade dos presídios brasileiros, hoje, um vexame de ingerência estatal. Chegamos ao ápice dessa invisibilidade. Embora ápice, é uma realidade que não se finda. Como um círculo vicioso, os invisíveis sociais seguem sua trajetória de forma imperceptível e desalmada, considerados indignos do tratamento que legalmente devem ter, deixando de ser considerados seres humanos para uma grande parcela da sociedade. Não estamos aqui defendendo criminosos. Não pedimos o perdão da pena. Contrariamente, refletimos a concessão da pena com sentido ressocializador, que é sua essência desde quando criada pelo legislador. É chegado o momento de juntos, cidadãos e Estado, repensarmos as políticas públicas desse tema, suas funções, refletirmos com responsabilidade sobre o que vem acontecendo.

Leia Mais

Jefferson Rudy/Agência Senado
Segundo estudo da ONU, Bolsa Família favorece autonomia das mulheres
O programa Bolsa Família é positivo para a autonomia das mulheres beneficiárias, bem como para seu poder de decisão no lar, seu senso de cidadania e suas escolhas reprodutivas. Por outro lado, elas tendem a trabalhar menos horas no mercado de trabalho e realizar mais atividades domésticas, o que acaba reforçando os estereótipos de gênero. A conclusão é de estudo divulgado na quarta-feira (11) pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) das Nações Unidas.

Leia Mais

Antonio Queirós
Tempo certo é agora
“Todo tempo tem seu tempo certo”, diz o provérbio. Nessa sabedoria popular se explicita o agora, que é o momento para a Câmara Municipal de Salvador construir um novo diálogo com a população em busca de avanços e dias melhores para todos que amam a capital baiana. O primeiro momento do tempo certo, interpretando o provérbio na perspectiva da nossa realidade, diz respeito à reconstrução de Salvador. Esse momento de reconstrução desdobra-se num processo contínuo. Na Câmara, o primeiro momento do tempo certo passou pelas aprovações do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) e da Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo (Louos). Essas legislações são fundamentais para o sucesso de uma nova cidade que surge. Tive a felicidade de ser o relator do PDDU e da Louos, matérias que foram exaustivamente debatidas na Câmara com participação popular e dos movimentos sociais. Esse tempo que passou e nos ensinou projeta tempos melhores. O segundo momento do tempo certo na Câmara passa pelo incremento das tecnologias digitais, a exemplo das mídias sociais, que estabelecem um canal direto com as pessoas e estimula cada vez mais a participação popular. O tempo de agora é digital e instantâneo! O tempo certo que estou falando é paralelo ao tempo absoluto, definido por Newton como verdadeiro e matemático em termos de realidade e por natureza, fluindo na uniformidade de sua duração. Esse tempo absoluto traz para a minha gestão na Câmara o movimento das pessoas, traz o diálogo e a resultante é a participação.

Leia Mais

Dos grêmios estudantis à presidência da Câmara Municipal de Salvador: conheça a trajetória de Leo Prates
Natural de Salvador e um dos fundadores do PFL – Jovem da Bahia, Leo Prates, lembrou sua trajetória política iniciada no grêmio estudantil do Colégio Marista e da sua atuação como militante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) na Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade Federal da Bahia. “Descobri na política a minha paixão e vocação e tive que enfrentar a minha família para prosseguir. Meus pais são servidores públicos e não há tradição política na família”, revelou.

Leia Mais

Eduardo Anizelli/Folhapress
Chacina de Campinas: um crime de feminicídio
Mãe e filho são enterrados.
O técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, matou 12 pessoas a tiros antes de se suicidar na noite de Réveillon, em Campinas. Das 12 vítimas, nove eram mulheres, entre elas sua ex-mulher Isamara Filier, de 41 anos. Todos foram sepultados na segunda-feira 2. Uma carta escrita pelo assassino e divulgada no domingo 1º pelo jornal O Estado de S. Paulo não deixa dúvidas: trata-se de feminicídio, crime no qual as mulheres são mortas em razão do gênero, ou seja, por menosprezo ou discriminação à condição de mulher. Na carta, Araújo usa 12 vezes a palavra “vadia” para se referir à ex-mulher e às mulheres da família dela. “Quero pegar o máximo de vadias da família juntas”, escreveu.

Leia Mais

BBC
Índia tem primeira escola para trangêneros
Kalki Subrahmaniam é ativista e criadora da escola para transgêneros
A Índia inaugurou o primeiro colégio interno para transgêneros do país na cidade de Kochi, para ajudar adultos que desistiram da escola antes de terminar o ciclo educacional. Alguns dados mostram que as transgêneros sofrem hostilidade e preconceito na Índia, e, por isso, cerca de metade não consegue terminar a educação formal.

Leia Mais

Dylan Passmore/Flickr (CC)
Contra a retórica da antirreforma
O envio da Reforma Previdenciária (Proposta de Emenda Constitucional 287) ao Congresso traz a público alguns argumentos da retórica antirreforma, à qual estaremos muito expostos a partir de agora. Embora os argumentos possam variar nas especificidades, temos poucas linhas gerais, que descrevo a seguir.

Leia Mais

Após três tentativas, Câmara consegue aprovar renegociação da dívida dos Estados
No limite do recesso de fim de ano, a Câmara aprovou na tarde desta terça-feira (20) o texto principal da proposta de renegociação da dívida dos Estados. Após tentativas de obstrução e pedidos para abandonar a votação do próprio governo, o projeto passou com 296 votos a favor, 12 contrários e 3 abstenções. Essa foi a terceira vez que a Câmara tentou apreciar a proposta no plenário. Com modificações em relação ao texto que chegou do Senado, a proposta mantém o Regime de Recuperação Fiscal de emergência, incluído na última hora da votação pelos senadores. O programa é uma maneira, negociada com o Ministério da Fazenda, de auxiliar Estados em dificuldades financeiras. "O Plano de Recuperação é o documento em que se reconhece a situação de desequilíbrio financeiro, bem como são especificadas todas as medidas de ajuste, com os respectivos impactos esperados e prazos de adoção, sendo implementado mediante lei do estado que pretenda aderir ao Regime de Recuperação Fiscal", destaca o texto. No Senado, foi incluída toda a proposta da Fazenda, que estabelecia sete contrapartidas para a implementação do plano emergencial. Exigia-se dos Estados, por exemplo, a "criação de programa de desestatização"; a elevação de contribuição à Previdência, e o congelamento de aumentos e reajustes já negociados. Os deputados, inclusive o relator Espiridião Amin (PP-SC), chamaram esses trechos de "draconianos". Após seis dias de negociação, retiraram todas as contrapartidas. Eles afirmaram que a Câmara enviou a proposta ao Senado sem essas exigências e que elas foram adicionadas ao projeto "na última hora". Além disso, as medidas foram consideradas pelos deputados como fontes de redução de direitos dos trabalhadores.

Leia Mais

Reprodução
Quem é quem na lista de apelidos da Odebrecht e quanto recebeu
Vice-presidente de relações institucionais da Odebrecht, Claudio Melo Filho
Segundo a delação do ex-vice-presidente de relações institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, a empreiteira fez pagamentos a diversos parlamentares para que cuidassem de seus interesses no Congresso. Para identificar deputados, senadores e demais autoridades, a empresa usava uma série de codinomes na hora de realizar pagamentos. Conhe~ça a lista e os codinomes dados aos políticos, com destaques para os baianos :

Leia Mais

Pesquisa mostra que homens ainda culpam mulher por estupro
Pesquisa apresentada nesta quarta-feira (7) no 4º Fórum Fale sem Medo, em São Paulo, feita pelos Institutos Avon e Locomotiva, mostrou que 88% dos entrevistados acreditam que ainda há muita desigualdade entre homens e mulheres na sociedade brasileira. Apesar de 85% dos homens concordarem que todos os pais devem educar os filhos para ser menos machistas, 43% deles dizem pegar mal reclamar de um amigo que compartilha fotos de mulheres nuas em grupos privados de homens. Para 48% dos entrevistados, é desagradável ou humilhante o homem cuidar da casa enquanto a mulher trabalha fora e apenas 35% acham que cabe ao homem ajudar a mulher. Depois de ouvir 1.800 pessoas de 70 cidades, a pesquisa indicou que, apesar das críticas ao machismo, na prática, as atitudes mostram tolerância a comportamentos machistas, já que 78% dizem não interferir em brigas de casal ou interferir apenas se houver alguma violência extrema. O levantamento revelou que 61% consideram que a mulher que se deixou fotografar também tem culpa quando um homem compartilha suas imagens íntimas sem autorização nas redes sociais e que 27% acreditam que, em alguns casos, a mulher pode ter culpa por ser estuprada. A pesquisa – O papel do homem na desconstrução do machismo – mostrou que 78% das pessoas concordam que as mulheres devem conhecer seus direitos e ser incentivadas a lutar por eles; 59% disseram que todas devem ser respeitadas, não importando sua aparência, nem seu comportamento; e 67% dizem que homens e mulheres devem ser igualmente responsáveis pelos cuidados com a casa e com os filhos. O machismo é considerado negativo por 79% das pessoas. Apesar de 87% dos entrevistados concordarem que ao menos uma parte da população é machista, só 24% delas se consideram assim. A pesquisa também mostra que 24% dos homens não têm coragem de defender as mulheres no meio de outros homens e que 31% não gostariam de ser machistas, mas não sabem como agir.

Leia Mais

oliberal
Facção criminosa atua com plano de gestão empresarial
Valdeci Francisco Costa era o 'chefe executivo'
Na madrugada do dia 10 de março de 2016, um dirigente do PCC envia um e-mail para uma de suas subordinadas com o codinome Alexandre Magno. O título da mensagem: "Projeto Estrutural 2016". Entre os anexos, um organograma com linhas e setas mostrando cinco diretorias, três núcleos de coordenação e outras dezessete células. Em outro arquivo, a descrição de cada função. Por meio da quebra de sigilo telemático, o e-mail chegou às mãos da Polícia Civil de São Paulo, que se deparou com uma verdadeira estrutura empresarial dentro da facção criminosa. Nas palavras dos investigadores, uma "multinacional do crime" que produz relatórios mensais, faz auditorias e avaliações de desempenho, gerencia seguros para os presos e paga bonificações para premiar os funcionários mais produtivos. Esse modelo de gestão veio à tona na Operação Ethos, deflagrada pela Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo há duas semanas, e foi detalhado em um relatório com mais de 1.160 páginas, obtido com exclusividade por VEJA, reproduzido pelo DNB. Por meio de planilhas, e-mails e cartas apanhadas dentro dos presídios, o inquérito mostra a rotina de um ano da chamada célula R (chamada antes de Sintonia das Gravatas), formada essencialmente por advogados. Na última semana, a Justiça de Presidente Venceslau (SP) deferiu a prisão preventiva de 54 alvos da Operação - cinco continuam foragidos. Entre os presos estão Marcos Herbas Camacho, o Marcola, e o vice-presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, Luiz Carlos dos Santos. Apesar de ser sustentado pelo dinheiro do narcotráfico, a célula R não se ocupa do comércio de drogas ou da morte de desafetos. São advogados de Rua ou Recursistas (daí o R) que ficam à disposição da facção para resolver problemas cotidianos. Entre as principais funções estão pagar propina a autoridades corruptas, infiltrar-se em órgãos de direitos humanos e ser o canal de comunicação entre a liderança encarcerada e os subalternos soltos. Serviços que vão muito além de fazer a defesa jurídica dos criminosos.

Leia Mais

Especiais

'Ainda existe escravidão no Brasil, precisamos acordar para isso'

Buscar




Vídeos

Delator fala sobre caixa dois para o filho de Zé Dirceu

 

Diário News Bahia - Direitos reservados
E-mail: contato@diarionewsbahia.com.br