Mundo - Diário News Bahia

Entrevistas

'O movimento feminista no Brasil é o mais organizado da América Latina'


Turismo

Destinos saborosos do chocolate brasileiro


Mundo

AFP
Emmanuel Macron é eleito novo presidente da França
O presidente francês eleito, Emmanuel Macron, acena para a multidão, ao fazer seu discurso da vitória na Pirâmide do Louvre, em Paris
O centrista pró-europeu Emmanuel Macron, de 39 anos, foi eleito presidente da França neste domingo (7) - o mais jovem da história do país -, evitando, assim, que essa potência econômica mundial caísse nas mãos de sua adversária de extrema direita, Marine Le Pen. Com mais de 65,5% dos votos, este ex-banqueiro substituirá o socialista François Hollande, de quem foi ministro da Economia, segundo resultados quase definitivos. A abstenção no segundo turno teria variado entre 25,3% e 27%, segundo estimativas. A taxa de participação às 13h de Brasília era de 65,3%, quatro pontos a menos do que no primeiro turno (69,42%), segundo o Ministério do Interior. Foi a taxa de participação mais baixa desde 1969, apontam estimativas oficiais. Os dois candidatos tiveram uma conversa breve e cordial por telefone, antes de divulgadas as

Leia Mais

GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Arquivos / Astrid Stawiar
França determina menção quando imagens comerciais forem
A França passará a obrigar a menção "fotografia retocada" nas imagens de uso comercial que modificam a silhueta das modelos, e estas deverão ter um certificado médico para exercer sua atividade, de acordo com duas leis publicadas no Diário Oficial nesta sexta-feira. O governo pretende assim "prevenir os transtornos de comportamento alimentar", sobretudo entre a população mais jovem. A partir de 1 de outubro "será obrigatório acrescentar às fotografias de uso comercial a menção 'fotografia retocada' quando a aparência corporal das modelos foi modificada com um software para afinar ou aumentar sua silhueta", anunciou o ministério francês da Saúde em um comunicado. A obrigação envolve as fotografias "inseridas em mensagens publicitárias" na imprensa, em cartazes, na imprensa ou nos catálogos e folhetos, afirma o decreto. O anunciante será o responsável por verificar se as fotos adquiridas passaram por retoques, completa o texto. A respeito da necessidade de um atestado médico, a medida entrará em vigor a partir de sábado e também será aplicada às modelos de outros países do Espaço Econômico Europeu quando trabalharem na França.

Leia Mais

AFP
Grande manifestação de 1º de maio em Moscou
Quase um milhão e meio de russos marcharam nesta segunda-feira no centro de Moscou no Dia do Trabalhador, um comparecimento muito maior que nos anos anteriores, segundo a polícia da capital russa. "Quase 1,5 milhão de pessoas marcharam pelo 1º de maio", declarou em um comunicado citado pela agência de notícias Interfax. Sob um sol radiante, os manifestantes marcharam pela Praça Vermelha, agitando bandeiras e balões junto aos muros do Kremlin. Em 2016 e 2015, apenas 100.000 pessoas participaram deste

Leia Mais

AFPe
Estado indiano entrega pás de madeira para mulheres se defenderem de maridos
Cerca de 700 noivas receberam uma pá
Um ministro do estado indiano de Madhya Pradesh decidiu presentear cerca de 700 noivas com pás de madeira de lavar roupas para que se defendam em caso de agressões por parte de seus futuros maridos. O ministro Gopal Bhargava entregou as pás durante um grande casamento organizado no sábado pelo governo de Madhya Pradesh, um estado do centro da Índia. As pás têm inscrições como "para os agressores bêbados" ou "a polícia não irá intervir". Bhargava pediu às noivas que primeiro tentem resolver a situação com seus maridos, mas que, se não conseguirem, "devem deixar que as pás falem". O ministro assegurou à AFP que quer chamar a atenção sobre a grave situação das mulheres nas zonas rurais, maltratadas por seus maridos, que muitas vezes têm problemas com álcool.

Leia Mais

AFP
Atualidade Coreia do Norte fracassa em tiro de míssil
O embaixador da Coreia do Norte, Kim In Ryong.
A Coreia do Norte realizou um teste fracassado de míssil balístico neste sábado (horário local), no momento em que Washington acentua sua pressão para enfrentar a "ameaça nuclear" norte-coreana. De acordo com a agência de notícias Yonhap, citando um comunicado do Exército sul-coreano, "a Coreia do Norte disparou um míssil não identificado de um sítio próximo a Buckchang, em Pyeongannam-do, na manhã deste sábado". "A avaliação é que o tiro fracassou", acrescentou a agência. Um oficial dos Estados Unidos confirmou o disparo de um míssil norte-coreano não identificado à AFP. Segundo ele, o disparo ocorreu de uma base em terra, e foi um míssil de "tipo desconhecido e que não implica em ameaça". Teria explodido segundos após o lançamento. Seul está analisando dados para determinar que tipo de míssil foi lançado e seu alcance estimado. "O Comando do Pacífico dos Estados Unidos detectou o que avaliamos que foi o lançamento de um míssil norte-coreano, às 10H33 (hora do Havaí). O lançamento do míssil balístico aconteceu perto do campo de aviação de Pukchang", disse o porta-voz do Comando do Pacífico do Exército dos Estados Unidos (Pacom), comandante Dave Benham

Leia Mais

AFP
Cela secreta é encontrada em delegacia das Filipinas
Uma dezena de pessoas foram encontradas amontoadas em um espaço minúsculo escondido atrás de uma estante em uma delegacia de polícia nas Filipinas, o que alimenta novamente o temor de supostos abusos na guerra antidrogas do presidente Rodrigo Duterte. Membros da Comissão Governamental para os Direitos Humanos, acompanhados de alguns jornalistas, encontraram homens e mulheres durante uma visita surpresa, na tarde de quinta-feira, ao posto policial localizado nas favelas da capital, Manila. Os visitantes ouviram gritos - "Estamos aqui, estamos aqui" - procedentes de uma parede. Em seguida, encontraram uma porta escondida atrás da estante que levava a um pequeno espaço. Os prisioneiros correram rapidamente para fora. Alguns pediam água, outros, chorando, imploravam para que os membros da Comissão não os abandonassem. Os prisioneiros disseram estar detidos ali há uma semana, após sua prisão por suposto uso ou tráfico de drogas. Também acusaram a polícia de ter exigido um grande resgate para sua libertação. "Eles foram presos sob o pretexto das drogas, mas não foram acusados ​​de nenhum crime", declarou nesta sexta-feira à AFP Gilbert Boisner, diretor em Manila na Comissão de Direitos, encarregada desta operação. O responsável da delegacia em Manila,

Leia Mais

AFP/Arquivos / Albert Gonzalez Farran
Forças do Sudão do Sul lançam nova ofensiva
As forças do Sudão do Sul lançaram nesta quarta-feira (26) uma ofensiva contra a cidade de Kodok, no norte do país, provocando a fuga de civis para a fronteira com o Sudão, informou o enviado da ONU David Shearer. Ao menos 50 mil pessoas de Kodok, no estado de Alto Nilo - incluindo refugiados de Wau Shilluk - estão sob risco de violência, advertiu David Shearer, que lidera a missão da ONU no Sudão do Sul. "O conflito está se expandindo no lugar de se contrair", explicou Shearer em entrevista coletiva. "Enquanto conversamos, está em andamento uma operação do SPLA (Exército de Libertação do Povo do Sudão) no lado oeste do Nilo em direção à Kodok. Estão no limite da cidade". Shearer assinalou que, em média, 60 mil pessoas fugiram a cada mês do Sudão do Sul para o Sudão desde o início de 2007.

Leia Mais

AFP
Grandes potências se reunem em Viena para acordo nuclear
Diplomatas reunidos em Viena
O Irã e as grandes potências estão reunidos nesta terça-feira (25) em Viena para fazer um balanço do acordo nuclear de 2015, em um contexto de crescente incerteza sobre a continuidade por parte do presidente americano Donald Trump. Esta reunião trimestral, a quinta desde a entrada em vigor - em janeiro de 2016 - deste acordo destinado a garantir o caráter estritamente pacífico do programa nuclear iraniano em troca da retirada das sanções internacionais, deve, a princípio, confirmar o respeito deste texto por todas as partes. Este encontro ocorre em um momento de expectativas já que Trump, um fervoroso opositor deste pacto considerado um dos principais sucessos diplomáticos de seu antecessor, Barack Obama, voltou a denunciar na quinta-feira um "acordo terrível" que "não deveria ter sido assinado". Washington anunciou o lançamento de um estudo para saber se a redução das sanções contra o Irã correspondia ao interesse nacional dos Estados Unidos. Esta certificação deve ser comunicada ao Congresso a cada 90 dias. O porta-voz da Diplomacia americana, Mark Toner, advertiu que este estudo poderia considerar o acordo "em um contexto mais amplo do papel regional e mundial do Irã".

Leia Mais

AFP
Brooklyn quer limitar expulsões de imigrantes ilegais
Brooklyn Bridge, Nova York
A Promotoria do Brooklyn modificará a forma como processa os crimes cometidos por imigrantes ilegais, a fim de limitar o risco de expulsão que os afeta sob a administração do presidente Donald Trump. O promotor do distrito do Brooklyn, Eric Gonzalez, indicou em um comunicado nesta segunda-feira que seus funcionários farão todos os esforços para evitar que imigrantes ilegais processados enfrentem "consequências colaterais desproporcionais, tais como a expulsão". Consequentemente, os promotores levarão em conta desde o início do processo o eventual status de clandestino do acusado, e "na medida do possível", incentivarão acusações que, "não comprometendo a segurança pública, não levem à sua expulsão ou a outras consequências desproporcionadas", afirmou Gonzalez.

Leia Mais

Saul Loeb/AFP
EUA não autorizará suas petroleiras a empreender projetos na Rússia
O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos disse na sexta-feira que não eximirá de sanções as empresas petroleiras americanas, incluindo a ExxonMobil, que busquem retomar perfurações na Rússia. O anúncio foi feito após relatos de imprensa que indicavam que a Exxon ia pedir autorização a Washington para participar de um projeto petroleiro no Mar Negro com a companhia russa Rosneft. "Em consulta com o presidente Donald J. Trump, o Departamento do Tesouro não emitirá isenções a empresas americanas, incluindo a Exxon, autorizando perfurações proibidas pelas sanções atuais contra a Rússia", disse o Tesouro em um comunicado. Depois de não ter conseguido uma autorização do governo Obama em 2015, a ExxonMobil começou a pressionar o Tesouro para que lhe concedesse uma isenção em março, logo após o ex-CEO da empresa,

Leia Mais

UNAIDS
Escócia começa a oferecer medicamentos de prevenção do HIV na rede pública de saúde
PrEP agora está disponível no sistema público de saúde da Escócia
O Serviço Nacional de Saúde da Escócia, no Reino Unido, anunciou no dia 10 de abril que passou a oferecer em sua rede de atendimento a profilaxia pré-exposição (PrEP) para a prevenção do HIV. O tratamento é utilizado por pessoas soronegativas que têm alto risco de se infectar. Com o medicamento, caso o indivíduo entre em contato com o agente a patogênico durante relações sexuais, as chances de contrair o vírus são significativamente reduzidas. O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) consideram que as pessoas que mais têm a se beneficiar da PrEP são homens gays e outros homens que fazem sexo com homens; travestis e mulheres trans; profissionais do sexo e casais sorodiferentes. Nesta último caso, a profilaxia pré-exposição é recomendada sobretudo quando o parceiro vivendo com HIV ainda não tem uma

Leia Mais

AFP / Vasily Maximov
Navio de carga naufraga no Mar Negro
Um navio de carga com 12 marinheiros a bordo naufragou nesta quarta-feira no Mar Negro, anunciou o ministério de Situações de Emergência da Rússia. Um marinheiro foi resgatado e outros quatro foram localizados e serão socorridos, informou à agência de notícias RIA Novosti uma fonte do ministério na Crimeia, que não divulgou informações sobre os outros sete tripulantes. A bordo do navio "Gueroi Arsenala" estavam "oito russos, três ucranianos e um georgiano", afirmou a fonte. O navio havia zarpado do porto de Azov, sul da Rússia, e navegava em direção a Turquia no momento do naufrágio.

Leia Mais

GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Arquivos / JOE RAEDL
Eleição no distrito da Geórgia é teste para Trump
Candidato democrata Jon Ossoff
O desconhecido candidato democrata Jon Ossoff, de 30 anos, espera se beneficiar da impopularidade de Donald Trump para conquistar uma circunscrição eleitoral da Geórgia em poder dos republicanos há quase 40 anos, em um primeiro turno que será acompanhado por todo país nesta terça-feira (18). Nesse subúrbio branco, relativamente abastado e conservador de Atlanta, trata-se de um grande desafio: nenhum democrata foi eleito desde que o republicano Newt Gingrich assumiu a cadeira em 1978. Gingrich foi presidente da Câmara de Representantes e líder da revolução republicana dos anos 1990. Tom Price, último congressista eleito por esse distrito, foi nomeado secretário de Saúde por Trump, deflagrando uma eleição parcial, já que o Congresso não prevê suplentes. Em tempos "normais", sua substituição por outro republicano não deixaria dúvidas. Hoje, a popularidade de Trump vem apresentando nítida queda, como mostram as pesquisas de aprovação, podendo afetar esse resultado. Os americanos estão decepcionados. Agora, apenas 45% consideram que o magnata respeita suas promessas de campanha, contra 62% em fevereiro, segundo o Gallup. No total, 40% têm uma opinião favorável a Trump, o que faz dele o presidente americano mais impopular da história no início de seu mandato. O Partido Democrata e um exército de seus simpatizantes e correligionários em todo país aproveitaram a oportunidade e conseguiram disparar o número de doações para Ossoff. Nascido em 1987, John Ossoff é um total desconhecido, cuja principal experiência profissional é ter sido por alguns anos colaborador de um congressista. Em geral, o candidato democrata arrecada apenas alguns milhares de dólares. Este ano, porém, Ossoff captou mais de US$ 8 milhões em doações, quase todas de fora do distrito pelo qual vai concorrer. Além disso, pesos-pesados democratas e várias celebridades apoiaram o candidato publicamente. "Lembrem-se de que a última vez que as pessoas não foram votar, nos deparamos com Trump", afirmou o ator Samuel L. Jackson em um anúncio no rádio. "Temos de expressar nosso desejo de vingança e nossa ira com esse governo nas urnas", insistiu. Ossoff aparece com cerca de 40% das intenções de voto nas pesquisas, enquanto os outros 17 candidatos dividem o restante. Sua esperança é alcançar maioria absoluta no primeiro turno - uma aposta arriscada. Se houver segundo turno, previsto para 20 de junho, os republicanos vão-se agrupar, tornando-se potencialmente mais fortes. Na eleição presidencial de novembro passado, a democrata Hillary Clinton perdeu para Trump por 1,5 ponto percentual nesse distrito. Ossoff espera ganhar por uma margem maior. Na semana passada, os democratas esperavam conquistar outra vaga republicana, pelo Kansas, no lugar do congressista designado para dirigir a CIA. Um republicano conseguiu mantê-la, porém, por uma vantagem apertada. "A eleição em Kansas foi um grande evento midiático, até que os republicanos ganharam e, agora, fazem o mesmo jogo na Geórgia - RUIM!", tuitou Trump na manhã desta segunda, mostrando que acompanha de perto a eleição.

Leia Mais

AFP / Bryan R. Smith
Coreia do Norte pronta para reagir 'a qualquer tipo de guerra' dos EUA
Embaixador da Coreia do Norte, Kim In Ryong.
A Coreia do Norte responderá a "qualquer tipo de guerra" que os Estados Unidos provocarem, declarou nesta segunda-feira (17) o representante norte-coreano ante a ONU, após a advertência do vice-presidente Mike Pence para que Pyongyang não coloque à prova a "determinação" de Washington. "Se os Estados Unidos se atreverem a recorrer a uma opção militar (...) a RPDK (República Popular Democrática da Coreia) está pronta para reagir a qualquer tipo de guerra que os Estados Unidos desejarem", declarou o embaixador adjunto Kim In Ryong em uma coletiva de imprensa. A declaração acontece depois que o vice-presidente

Leia Mais

AFP / JUNG Yeon-Je
Vice-presidente americano adverte Coreia do Norte a não testar a determinação de Trump
O vice-presidente americano, Mike Pence.
O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, recomendou nesta segunda-feira (17) a Coreia do Norte a não testar a "determinação" do presidente americano Donald Trump em relação ao programas balísticos e nucleares de Pyongyang. "Nas últimas duas semanas, o mundo testemunhou a força e a resolução de nosso novo presidente durante operações que aconteceram na Síria e no Afeganistão", afirmou Pence, em referência ao bombardeio americano contra uma base aérea do regime sírio e ao lançamento de uma superbomba contra jihadistas no Afeganistão. "A Coreia do Norte faria bem em não testar sua resolução ou a potência das Forças Armadas dos Estados Unidos nesta região", completou em uma entrevista coletiva em Seul. Trump, que na quinta-feira prometeu que o "problema" norte-coreano seria "tratado", já havia anunciado o envio à península coreana do porta-aviões Carl Vinson, escoltado por três navios lança-mísseis, e citou uma "frota" de submarinos. O número dois do regime norte-coreano respondeu no sábado que seu país estava pronto para "responder a uma guerra total com uma guerra total" e "a qualquer ataque nuclear com um ataque nuclear a nossa maneira". Mike Pence, que chegou no domingo a Coreia do Sul, visitou nesta segunda-feira a fronteira entre as duas Coreias, uma das zonas mais militarizadas do planeta. Durante a visita a Panmunjon, Pence afirmou que Washington não descarta nenhuma opção em relação ao regime norte-coreano.

Leia Mais

Especiais

'Ainda existe escravidão no Brasil, precisamos acordar para isso'

Buscar




Vídeos

Delator fala sobre caixa dois para o filho de Zé Dirceu

 

Diário News Bahia - Direitos reservados
E-mail: contato@diarionewsbahia.com.br